Compras do público feminino passam pelas redes

Uma pesquisa realizada recentemente pela rede social byMK, brasileira e dedicada a assuntos de moda e estilo, mostrou números sobre hábitos de consumo na web.

Foram colhidas 1.193 respostas em um universo de 400 mil pessoas. Dos internautas que realizam compras:

  • 30% adquirem maquiagem;
  • 26% acessórios, 21% roupas;
  • 19% calçados;
  • 16% jóias;
  • 9% lingerie.

O público é essencialmente feminino – 97% das pessoas que responderam a pesquisa eram mulheres. Do total, 85% usam o Orkut, 48% o Twitter e 42% Facebook.

Esses números nos sugerem duas observações em relação à presença feminina na web

A primeira delas é que, antes de iniciar ações neste espaço, é preciso conhecer a mulher que está na frente do monitor. Um grande erro das empresas é fazer ações de massa, generalizando as preferências de seu consumidor. O resultado pode ser desastroso – ao invés de conversão de vendas, acabam afugentando o seu consumidor.
Cadastro

Uma das formas mais baratas de conhecer mais mais os hábitos dos consumidores é através de um cadastro no site, onde há perguntas referentes a hábitos de consumo e se mapeia os espaços pelos quais essa consumidora se faz presente. Nem sempre o cadastro é preenchido, por falta de tempo ou estímulo. Para obter mais cadastros preenchidos, algumas marcas recorrem a promoções.

A Ramarim criou no ano passado a promoção “Meu jeito Ramarim”, que chamou a atenção em relação ao processo de cadastro. Ao invés de preencher apenas campos com nome, endereço e cidade, a internauta ganhava pontos de saída na promoção se respondesse em quais sites de redes sociais ela participava e se possuía blog.

Com esse tipo de informação nas mãos é possível criar diversas ações de relacionamento com a consumidora final.

E-mail marketing

Uma das formas mais baratas, rápidas e eficientes de retorno é o e-mail marketing. Só por usar o nome da pessoa e trazer ofertas relativas às suas preferências, a taxa de conversão de vendas salta de 1% para 4%.

O e-mail marketing é um tipo de promoção muito usado pelas empresas em geral. Para se ter uma ideia, a 4ª edição da pesquisa “O uso do e-mail marketing nas corporações brasileiras” realizada pelo WBI Brasil em parceria com a Dinamize, mostrou que 71,5% das empresas desenvolveram ações de e-mail marketing promocionais em 2009. O universo foram respostas de 2.845 profissionais de organizações de diferentes segmentos de atuação em todo o país participantes de edições de um evento.

A expansão do serviço está aliada a entrada, cada vez mais crescente, das classes C e D na internet.
Público feminino nas redes sociais

A segunda observação que estes números nos sugerem é que as empresas que vendem produtos focados neste público precisam estar presentes nos sites de redes sociais.

A interação, o diálogo e o relacionamento são construídos nestes espaços. E não é apenas um banner ou um simples site que vão atrair as consumidoras a fazer parte das diversas plataformas onde a marca está presente; são as experiências criadas para elas que farão o engajamento existir.

Uma das grandes vantagens da interação com as mulheres nos sites de redes sociais é a confiança que elas criam com a marca. Nestes espaços elas se sentem mais à vontade para sugerir e também reclamar da marca.

A partir disso é possível entender porque determinado produto vendeu pouco ou quais são os problemas de comunicação da marca. Sem contar que a partir das sugestões podem-se desenvolver produtos diferenciados atendendo de forma mais qualificada a consumidora.

Uma cliente bem atendida além de se tornar fã da marca, divulga para todos os seus contatos os serviços da empresa de forma espontânea. O relacionamento vem antes da publicidade, pois primeiro é preciso escutar antes de emitir uma mensagem.

Um bom exemplo desse retorno é o grupo Bolsa de Mulher, o maior de mídia digital da América Latina. Com cinco anos de existência, o grupo iniciou sua presença digital através da oferta de conteúdo qualificado e dirigido, ferramentas de relacionamento e e-commerce.

Hoje o Bolsa de Mulher possui 16 marcas, criadas ou adquiridas, em seu portfólio e recebe mais de 12 milhões de visitas únicas. No Twitter (@bolsademulher) possui mais de 11 mil seguidoras e 960 participantes na comunidade oficial do Orkut.

Mas antes de iniciar o trabalho digital, é preciso estar atento às diferenciações que ele possui em relação as demais mídias e explorar suas especificidades ao seu favor.

Através da análise de resultado de cada ação realizada será possível medir o sucesso que elas estão obtendo e a conversão de relacionamento e de vendas. Além disso, o monitoramente dos sites de redes sociais e uma presença de forma qualificada e ativa fazem toda a diferença.

Fonte: Webinsider

Avalie este artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here