E-commerce voltado para o público gay

E-commerce voltado para o público Gay

Um nicho de mercado ainda pouco explorado no Brasil é o e-commerce voltado para o público gay, que lá fora já é um dos segmentos mais lucrativos em se tratando de mercado de nicho, se é que se pode enquadrar o e-commerce gay  nessa categoria.

Um mercado tão forte e variado como o do universo arco íris oferece inúmeras oportunidades de negócios e o e-commerce direcionado ao público homosexual.

Preconceitos e estereótipos a parte, o e-commerce gay vai muito além de um mix de produtos específicos. O comércio eletrônico gay é antes de tudo um conceito e uma postura estratégica da empresa.

Iniciativas voltadas para esse público ainda são raras no Brasil, criando assim uma ótima oportunidade de negócio.

O nicho de mercado de e-commerce para o público gay

O baixo grau de competição do nichos de mercado como o do comércio eletrônico para o público gay oferece condições de crescimento rápido para empresas que focam sua atuação nestes segmentos, principalmente para os empreendedores que estão dando seus primeiros passos no varejo online.

No caso do e-commerce gay, a ótica de nichos de mercado merece uma análise um pouco mais aprofundada.

A abordagem de criação de um e-commerce partindo do conceito de mercado de nicho funciona na grande maioria dos segmentos cobertos atualmente pelo comércio eletrônico, mas no caso específico do e-commerce voltado para o público gay, existe uma diferença conceitual.

Não se trata de um produto, mas sim de um público, o que modifica radicalmente o projeto de e-commerce. Resumindo, o e-commerce gay é um nicho de público e não de produto.

Não basta simplesmente montar um mix de produtos que supostamente seriam de interesse do público gay. É necessário dar uma identidade à loja virtual, criar uma personalidade própria e exclusiva que crie um diferencial competitivo neste segmento do varejo online.

Criar um e-commerce gay não é uma questão de mix de produtos e sim a compreensão de um estilo de vida.

O e-commerce gay não precisa ser exclusivo

O e-commerce gay não precisa ser exclusivo, ou seja, não é necessário abrir uma loja virtual para atender exclusivamente ao público GLBT.

Muitas lojas virtuais já estabelecidas contam com a simpatia do público homossexual em relação aos seus produtos, sem que sejam necessariamente voltadas exclusivamente para esse nicho de mercado.

Nesta situação surge uma nova oportunidade de negócio para o lojista online que é a da criação de um segmento da loja destinado a atender às demandas desse público consumidor diferenciado.

O poder do público GLBT no comércio eletrônico

O público GLBT é sabidamente um dos públicos de maior poder aquisitivo até mesmo em função do seu estilo de vida.

Um dos fatores que mais contribuem para isso é o fato de que a maioria dos homossexuais não possui filhos e acabam direcionando seus gastos à cultura, vestuário, lazer e turismo.

O consumo gay é alto e fiel, o que por si só já viabiliza a criação de uma “loja virtual gay”. Outros investimentos online, como a rede social Grindr, já descobriram esse público e estão indo muito bem, obrigado.

O Brasil já é um dos destinos turísticos preferidos do público gay no mundo inteiro, por que então, não transformar o e-commerce gay também em uma referência internacional? Mantenha-se atualizado assinando a nossa Newsletter.

Fonte: Blog do Curso de E-commerce

E-commerce voltado para o público gay
5 (100%) 12 votos